(62) 9236-5771 / (62) 9636-4838

Construindo sonhos...

Tópicos

  • Controle de Algas.


    Cuidados com a agúa do lago parte 02


    Superpopulação
    este é outro fator agravante, pois o excesso de matéria orgânica oriundo dos dejetos dos peixes e a amônia produzida pela respiração branquial dos mesmos resultará em nitrato e fosfato – fonte de alimento para as algas . Águas de Chuva trazidas por enxurrada – esta água em contato com a terra, ou na pior das hipóteses, em contato com fertilizantes químicos ou orgânicos utilizados em hortas, pomares e jardins circunvizinhos, carreará toda a sorte de nutrientes para o lago, provocando explosões de algas. Por esta razão é sempre necessária alguma espécie de parede ou elevação natural em torno do lago, que impeça a entrada deste tipo de detritos por ocasião de chuvas. Excesso de nitratos – é sempre recomendada a renovação parcial de parte da água, principalmente durante estações secas, tendo em vista que o Nitrato (um dos principais alimentos das plantas e das algas) é cumulativo e constitui-se no produto final da filtragem biológica (vide Ciclo do Nitrogênio).

    Inexistência ou deficiência de filtragem mecânica e biológica.
    Filtros servem para retirar o excesso de matéria orgânica da água, sendo que a filtragem mecânica retira detritos sólidos (age como uma peneira) e a filtragem biológica (a mais importante no que diz respeito aos lagos) promove a reciclagem destes detritos através do Ciclo do Nitrogênio. Para dimensionar a filtragem ideal do seu lago, leia muito, pesquise, consulte sempre seu lojista de confiança ou um profissional da área a fim de evitar dissabores ou gastar dinheiro em processos inúteis . Como dica útil , no caso de lagos pequenos, recomendo a utilização de 10 litros de cerâmica porosa ou vidro sinterizado (no interior do filtro biológico) para cada 1.000 litros de água . Já as Bio balls apresentam eficiência significativa apenas em casos de filtros grandes com fluxo gotejado (efeito chuveirinho) e ainda assim sua eficiência é bem menor que as mídias em formato de cerâmica ou vidro sinterizado .
    Má circulação de água – em lagos de jardim é comum o aparecimento de zonas mortas (locais onde não existe a circulação efetiva de água) e é justamente nestas zonas de água parada que existe o acúmulo de matéria orgânica (não tragada pela filtragem) . Estas zonas auxiliam o aparecimento de algas. Para que este problema não ocorra, devemos instalar bombas de circulação com saídas estratégicas que propiciem a correta movimentação da água por todo o lago. Para um melhor controle deste problema, recomendamos, sempre que possível, à construção de lagos circulares, onde o efeito de “vortex” (redemoinho) auxilia na eliminação destas zonas. No caso de lagos com formatos retangulares sugerimos profundidades diferentes. Na hipótese da existência de uma cascata recomendamos que a mesma encontre-se na parte mais rasa do lago, a fim de que o turbilhão provocado pela precipitação da água, conduza as partículas de sujeira em direção ao lado oposto, onde deveremos colocar as bombas de captação para fins de filtragem . Na hipótese da necessidade de bombas de auxiliares (para movimentação da água) eliminando os pontos mortos, o fluxo deverá apontar sempre para o ponto principal de captação .
    Lagos rasos e com fundos de cor clara (ex: azulejo branco) – um erro bastante comum na construção de lagos, tendo em vista que neste caso a luz atravessa com bastante facilidade a água e encontrando uma superfície clara (no fundo) tendendo a refletir-se de volta (como um espelho), potencializando o efeito da mesma e causando um rápido aparecimento de algas . Neste caso, é também comum o aparecimento de algas verdes com aspecto gelatinoso, que ficam aderidas no fundo e nas paredes do lago . Sabendo disso, procure sempre construir lagos com cores mais escuras e com profundidades variáveis que alcancem de 50 a 80 cm . (mais que isto você terá dificuldades de manutenção e menos que isso ocorrerá o problema acima, no caso de incidência de luz solar direta) .

    Fonte: Revista Aquarista Junior

    Desenvolvido por Paulo Batista (Paulo Cascata)