(62) 9236-5771 / (62) 9636-4838

Construindo sonhos...

Tópicos

  • Inexistência de plantas.


    Cuidados com a agúa do lago parte 03

    As plantas são excelentes coadjuvantes no combate e prevenção de algas, tendo em vista que necessitam basicamente dos mesmos nutrientes . No entanto é comum o fato de serem devoradas pelos Peixes comumente utilizados em Lagos (Peixes de água Fria), em geral Carpas e Kinguios . Para que isto não ocorra, utilize vasos altos dentro da água (que aflorem a superfície) contendo apenas areia (é possível a colocação de húmus também, coberto por uma grossa camada inerte de areia dentro dos vasos, mas isto já é outra história que poderemos abordar em uma outra oportunidade) . A colocação de areia como simples meio de fixação das plantas é uma boa estratégia, pois a planta acaba buscando os nutrientes que estão na água, competindo com as algas e realizando o que chamamos de Aquaponia . Plantas boas para este tipo de uso são os Papiros (Cyperus papyrus) – existe também o mini papiro , o Chapéu de Couro (Echinodorus grandiflorus), as Sagittarias (Sagittaria montevidensis), etc... Existem também as plantas do gênero Ninféias (da família das Nymphaeaceae) – consideradas por muitos como “a Rainha dos Lagos” . Estas devem ser plantadas no fundo do lago, dentro de um vaso contendo um pouco de húmus de minhoca misturado com areia em iguais proporções e uma camada de cerca de 10 cm. de areia grossa inerte por cima (a fim de que o húmus não se desprenda facilmente na água) .

    Esta planta lembra o formato de uma vitória régia
    em menores proporções e pode ser plantada através de muda ou em forma de batata ou bulbo no fundo do lago, a fim de que cresça em direção à superfície (60 a 80 cm. de profundidade) . Produz flores lindas . Filtros de Plantas - Um excelente meio de combate às algas através das plantas é a construção de um “filtro de plantas” . Trata-se de um canal raso e estreito (máximo de 50 cm. de profundidade por 50 cm. de largura ) adjacente ao lago ou em torno do mesmo (imagine o fosso de um castelo) que perfaça 1/20 a 1/10 da capacidade do mesmo em volume . Este Canal deverá ser devidamente impermeabilizado e interligado ao lago, para que com o auxílio de uma bomba fraca (que propicie um fluxo de água bastante suave) possamos jogar a água de uma extremidade a outra, fazendo com que a mesma retorne ao lago . Dentro deste canal colocaremos algumas plantas aquáticas, tais como aguapés (Eichornia crassipes), Pistias ou Alface d’água (Pistia stratiotes), Salvinias (Salvinia auriculata), Jibóias (Scindapsus aureus), etc... Estas plantas ficarão soltas dentro deste canal (flutuando), com as raízes submersas e as folhas emersas . A idéia básica é que suas raízes absorvam nutrientes essenciais às algas, evitando sua proliferação, funcionando ainda como filtro mecãnico, tendo em vista a retenção de micro partículas sólidas em suas raízes .

    Fonte: Revista Aquarista Junior

    Desenvolvido por Paulo Batista (Paulo Cascata)